Igreja Anglicana

Loading...

Páginas

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

A Bíblia Católica e a Bíblia Protestante


Se você perguntar a alguém porque a Bíblia Católica é diferente da Bíblia Protestante, os últimos dirão que a Igreja Católica colocou eles por conta própria.

Bem, o Antigo testamento foi escrito em hebraico, partes em aramaico, e concluído em 440 a. C. Mas em 250 a.C. foi iniciada a tradução grega do Antigo Testamento (conhecida como Bíblia Septuaginta). Na época de Jesus Cristo existiam a Bíblia em hebraico e aramaico, e a Septuaginta.

Mas, por causa dos escritos  cristãos os rabinos judeus se reuniram em Janmia, ao Sul da Palestina, no ano 100, para decidir quais eram os livros sagrados.

Adotaram o seguinte critério para reconhecer os livros:

1. escritos na Terra Santa;

2. escrito somente em hebraico, nem em aramaico nem em grego;

3.escritos antes de Esdras (455a.C - 428 a.C.);

4.escritos em conformidade com a Torá de Moiséis.

Por isso, os livros de Tobias, Judite, Baruque, Eclesiástico, Sabedoria, I e II Macabeus fazem parte da Bíblia Católica como deuterocanônicos.

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Documentos do Concílio Vaticano II


O Concílio Vaticano II (1962 - 1965) foi sem dúvida o maior acontecimento da Igreja Católica no século XX.

Como resultado das reflexões, orações e trabalhos diversos durante todos os três anos seguidos do Concílio temos um compêndio de documentos que tratam dos assuntos mais importantes ali suscitados. Esses documentos, de acordo com sua importância e temática, são classificados como Constituições, Declarações e Decretos.

O Concílio Vaticano II produziu duas Constituições Dogmáticas: Dei Verbum (Sobre a Revelação Divina) e a Lumen Gentium (Sobre a Igreja). Também deu-nos duas Constituições Pastorais Conciliares: Sacrosanctum Concilium (Sobre a Sagrada Liturgia da Igreja) e a Gaudium et Spes (Sobre a Igreja no Mundo Atual).

As Declarações produzidas são três: Gravissimum Educationis (Sobre a Educação Cristã), Nostra Aetate (Sobre a Igreja e as Religiões Não Cristãs) e Dignitatis Humanae (Sobre a Liberdade Religiosa).

Os Decretos são nove ao todo: Ad Gentes (Sobre a Atividade Missionária da Igreja), Presbyterorum Ordinis (Sobre o Ministério e a Vida dos Sacerdotes), Apostolicam Actuositaem (Sobre o Apostolado dos Leigos), Optatam Totius (Sobre a Formação Sacerdotal), Perfectae Caritatis (Sobre a Conveniente Renovação da Vida Religiosa), Christus Dominus (Sobre o Múnus Pastoral dos Bispos na Igreja), Unitatis Redintegratio (Sobre o Ecumenismo), Orientaium Ecclesiarum (Sobre as Igrejas Orientais Católicas) e Inter Mirifica (Sobre os Meios de Comunicação)

domingo, 14 de janeiro de 2018

Os títulos do Papa


O chefe visível da Igreja Católica é chamado de Papa (Petrus Apostulus Princips Apostolorum),  que em grego significa apenas "pai".  Ele é intitulado Servus Servorum Dei (Servo dos Servos de Deus).

Os títulos oficiais do Papa são:

1. Bispo de Roma

2. Vigário de Jesus Cristo

3.  Sucessor de São Pedro, o Príncipe dos Apóstolos

4. Sumo Pontífice da Igreja Universal

5. Patriarca do Ocidente

6. Primaz da Itália

7. Arcebispo e Metropolita da Província Eclesiástica de Roma

8. Soberano do Estado do Vaticano

Ele é quem dirige a Igreja Católica no mundo inteiro, tendo os bispos como seus colaboradores, os quais formam junto com o Papa o Magistério da Igreja Católica.

domingo, 7 de janeiro de 2018

Catecismo da Igreja Católica


Depois da Sagrada Escritura, o Catecismo da Igreja Católica é o livro mais importante para os católicos porque nos ajuda a entender o que a Igreja ensina.

Quando em 1985, se comemorava o vigésimo aniversário do encerramento do Concílio Vaticano II, uma Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos manifestou o desejo de um Catecismo ou compêndio atualizado que abordasse a doutrina católica de forma geral, servindo de referência para catecismos e compêndios a serem preparados em diversos lugares do mundo. Após o Sínodo, o Papa João Paulo II assumiu para si este desejo e deu início ao trabalho de formulação do Catecismo da Igreja Católica, entregando-o à população no dia 11 de outubro de 192, resultado do trabalho que demorou ses anos.

O Papa João Paulo II confiou ao Cardeal Jospeh Ratzinger em 1986 a responsabilidade de presidir uma Comissão composta por doze cardeais e bispos para preparar um projeto para o catecismo.

Esta eqiipe contou com o apoio de uma Comissão de redação formada por sete bispos bispos diocesanos peritos em teologia e catequese.

A Comissão deu diretrizes ao desenvolvimento do trabalho, cuja redação suvedeu nove composições. Por outro lado, a Comissão de redação escreveu o texto e inseriu neles as modificações pedidas pela Comissão e examinou as observações de numerosos teólogos, exegetas e catequistas e bispos do mundo inteiro, a fim de melhorar o texto.

sábado, 6 de janeiro de 2018

Dia de Reis e Epifania do Senhor


O dia do Reis é uma das datas mais tradicionais da Igreja celebrada no mundo inteiro. Neste dia se comemora a visita de três magos (Mt 2, 1 - 12),  vindos do Oriente, para adora a "Epifania do Senhor"  Ou seja, o nascimento de Jesus, o Filho por Deus enviado, para a salvação da humanidade.

O termo "mago" vem do antigo idioma persa e serviu para indicar o país de origem: Pérsia. Eram reis porque era o sinônimo daquela palavra, também usada para nomear os sábios discípulos de uma seita que cultuava um só Deus. Portanto, não eram astrólogos nem bruxos.

Quando os reis magos chegaram a casa, viram o menino com sua mãe. Isso porque José já tinha providenciado uma morada muito pobre, porém mais apropriada, do que a gruta de Belém onde Jesus nascera.

Presentearam o menino Jesus com ouro, incenso e mirra. O ouro significa a realeza de Jesus; o incenso, a sua essência divina e a mirra, a sua essência humana.

Eles revelaram ao mundo o cumprimento de uma profecia de séculos. Segundo a Tradição da Igreja, seus nomes eram Melquior, Gaspar e Baltasar.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Ministros Ordenados na Igreja Católica


O Catecismo da Igreja Católica nos fala sobre o sacramento da ordem, através do qual se perpetua a hierarquia da Igreja. Assim vemos "O ministério eclesiástico, instituído por Deus, é exercido em ordens diversas por aqueles que, desde a antiguidade são chamados de bispos, presbíteros e diáconos.  A doutrina católica expressa na liturgia, no Magistério e na prática constante da Igreja, reconhece que existem dois graus de participação ministerial no sacerdócio de Cristo: o episcopado e o presbiterado. O diaconado destina-se a ajudá-los e a servi-los. Por isso o termo <> designa, no uso atual, os bispos e os presbíteros, mas não os diáconos. Todavia, a doutrina católica ensina que os graus de participação sacerdotal (episcopado e presbiterado) e o grau de serviço (diaconado), todos três são conferidos por um ato sacramental chamado <>, ou seja, pelo sacramento da Ordem.

A celebração da ordenação dum bispo, de presbíteros ou de diáconos, dada a sua importância na vida de uma Igreja particular, requer o maior número possível de fiéis. Terá lugar, de preferência, ao domingo e na Sé catedral, com solenidade adequada à circunstância. As três ordenações - do bispo, do presbítero e do diácono - seguem o mesmo esquema. O lugar próprio de sua celebração é dentro da liturgia eucarística.

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

A Igreja Católica e suas bases


A Igreja Católica tem base em um tripé: Sagrada Tradição, Sagrada Escritura e Sagrado Magistértio; desse tripé ela se mantém ao longo de mais 2000 anos.

A Sagrada Tradição é a parte que ajuda a definir, por exemplo, quais e quantos são os livros canônicos da Sagrada Escritura, pois a própria Bíblia não traz a lista nem o nome dos livros sagrados.

A Sagrada Escritura é composta dos 73 livros que compõe o Antigo e Novo Testamento (46 livros do Antigo e 27 livros  Novo Testamentos) os quais foram escritos em hebraico, aramaico e grego.

O Sagrado Magistério é a voz oficial da Igreja. O Papa e os Bispos em comunhão com ele foram esse Magistério quando se pronunciam em Concílios, Sínodos, Encíclicas, Cartas Apostólicas etc.

Há o Magistério ordinário, que é exercido normalmente em todos os tempos, e há o Magistério extraordinário, que é exercido por meio de Concílios, Sínodos e Encíclicas, sobretudo quando o Papa fala ex-cathedra.

Os fiéis católicos devem levar em consideração os ensinamentos e decisões do Magistério da Igreja .