Igreja Católica

Loading...

Páginas

domingo, 9 de julho de 2017

Liturgia na Igreja Católica Apostólica Brasileira


Quatro obras de relevo para a Igreja Católica Apostólica Brasileira foram lançadas em 2013.

1 - Missal e Ritual Dom Caros, salientando que o Pontifical era próprio romano de São Pio V.

2 - Primeira reforma em 1973, Missal e Ritual Dom Luiz com Pontifical próprio de São Pio V.

3 - Segunda reforma em 2003, Missal e Ritual no governo de Dom Ivan com Pontifical próprio de São Pio V.

4 - Quarta reforma em 2011 com edição reformada dos Rituais e Sacramentais, do Missal ampliado com 4 missas, mantido o mesmo texto de justificativa teológica de reforma tal qual foi feito no Missal de 2003, o Pontifical com tradução todo em vernáculo de São Pio V, com adições próprias da ICAB e por fim o belo Lecionário concluído no ano de 2013.

A quipe reformista de 2003 era Dom Ademar Moser, Dom Manoel e Dom Aurio.

A liturgia na Igreja Católica Apostólica Brasileira tem peso de lei, ou seja, todos devem utilizar e por ela se reger quando da celebração de qualquer ato religioso, quem não o fizer conforme as normas próprias da Igreja, está sujeito às penalidades próprias, previstas nos Estatutos o no CEIB (Código Eclesiástico da Igreja Brasileira).

sábado, 8 de julho de 2017

Instituto Brasileiro de Estudos Filosófico e Teológicos


O Instituto Brasileiro de Estudos Filosóficos e Teológicos - IBEFT é o resultado da reflexão de sacerdotes da Igreja Católica Apostólica Brasileira - ICAB - para a criação de um curso de teologia, com ênfase na sua realidade pastoral e doutrinária.

Este Curso de Teologia tem duração de dois anos e será ministrado a distância.

Primeiro Semestre:

Introdução à Teologia
Português Instrumental
Introdução às Sagradas Escrituras
História do Cristianismo I - Antiguidade e Idade Média
Teologia Sistemática I - Cristologia e Trindade.

Segundo Semestre:

Teologia Sistemática II - Antropologia Teológica e Soteriologia
Antigo Testamento - Pentateuco e Livros Históricos
Filosofia da Religião
História do Cristianismo II - Idade Moderna e Contemporânea
Liturgia e Espiritualidade

Terceiro Semestre:

Teologia Sistemática III - Eclesiologia e Harmatiologia
Antigo Testamento II - Livros Sapienciais e Profetas
Psicologia Pastoral e Clínica Cristã
Teologia Pastoral
Novo Testamento - Evangelhos e Atos

Quarto Semestre:

Administração Eclesiástica
Novo Testamento II - Cartas e Apocalipse
Teologia Sistemática IV - Mariologia e Escatologia
Teologia Comparada e Ecumenismo
Direito Eclesisástico

Os Sete Sacramentos da Igreja Católica Apostólica Brasileira


A Igreja Católica Apostólica Brasileira celebra os sete sacramentos:

Batismo - é o sacramento essencial, que nos faz oficialmente cristãos. Sem ele não é permitido receber os demais. Para que o Batismo seja válido é necessário que haja matéria (a água); a forma (as palavras:"Fulano, eu te batizo em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo"); e a intenção, que significa ter fé e permanecer fiel ao Corpo Místico de Cristo, que é a Igreja. O ministro do Batismo é o sacerdote, mas em caso de necessidade qualquer fiel pode realizá-lo, desde que siga os preceitos.

Crisma - é o sacramento que confirma o Batismo, daí se chamar também Confirmação, porque renova as promessas feitas no Batismo. O ministro da Confirmação é o Bispo; entretanto poderá ser um padre por delegação apostólica.  A matéria da Confirmação é o óleo (o Crisma), benzido pelo Bispo, em missa própria da Quinta-Feira Santa.

Eucaristia - é o sacramento da Comunhão (comum união) instituído por Cristo na Quinta-Feira Santa e deve ser renovado ao menos uma vez por semana. Este sacramento é a consagração do pão e do vinho, corpo e sangue de Cristo que nos lembra a doação de Cristo na cruz. "Isto é meu corpo que é dado por vós. Fazei isto em memória de mim!". "Este cálice é a nova aliança do meu sangue, que é derramado por vós". O ministro da Eucaristia são o Bispo e o Presbítero.

Penitência - trata-se de um sacramento estabelecido por Cristo, dando poder aos Apóstolos de perdoar os pecados. Este sacramento é ministrado pelo Bispo e pelo Presbítero na Igreja. "Recebam o Espírito Santo. Aqueles a quem  perdoares os pecados, serão perdoados; mas aqueles a quem não perdoares os pecados, não serão perdoados"(Jo 20, 22-23). O penitente deve estar arrependido.

Um detalhe importante: não há confissão auricular na Igreja Católica Apostólica Brasileira.

Unção dos Enfermos - antes conhecida como Extrema-Unção, geralmente é administrado ao doente que está gravemente enfermo. O sacerdote unge a fronte do doente com óleo, fazendo orações de penitência do enfermo.

Matrimônio - a união entre um homem é uma mulher é um sacramento instituído pelo próprio Deus (Gn 1,22), cujos ministros são os próprios noivos. O sacerdote é uma testemunha da Igreja que invoca as bênçãos de Deus para aquela união.

Ordem - sacramento que imprime caráter indelével quer seja no diaconato, presbiterato e episcopado. Somente o Bispo pode ordenar um Diácono e um Presbítero, e junto com pelo menos dois outros Bispos, ordena um novo Bispo para a Igreja. Desse modo, a Igreja tem a sua liderança  para ser perpetuada a Sucessão Apostólica.

sexta-feira, 7 de julho de 2017

A Bíblia de Jerusalém


A Bíblia de Jerusalém é uma edição brasileira (1981, com revisão e atualização na edição de 2002) da edição francesa Bible de Jérusalem, que é assim chamada por ser fruto de estudos feitos pela Escola Bíblica de Jerusalém.

A Bíblia de Jerusalém foi publicada pela primeira vez em 1956, em francês, em um só volume. Para esse trabalho foram convidados diversos pesquisadores: historiadores, arqueólogos, lexicógrafos, linguistas, teólogos, exegetas, cientistas sociais, geógrafos e cartógrafos.  Atribuiu-se que foi a diversidade de colaboradores que garantiu traduções acuradas, em terras que cada qual conhecia com profundidade.

A primeira edição brasileira chamou-se Bíblia de Jerusalém (1981, Paulus Editora). A revisão francesa, de 1998, acabou gerando a nova edição brasileira (Nova Bíblia de Jerusalém), revista e atualizada, pela mesma Paulus Editora, em 2002. Nesta tradução dos originais para a língua portuguesa, também colaboraram exegetas católicos e protestantes.

Os exegetas apontam que o grande diferencial da Bíblia de Jerusalém é que, além da tradução dos originais hebraico, aramaico e grego, existe a contextualização histórica, dentro do ambiente físico,  ambiental e cultural relativo à época em que cada livro foi escrito. Trata-se de uma obra que representa a "união do monumento  e do documento", de acordo com Lagrange, criador da Escola Bíblica de Jerusalém, unindo assim "a arqueologia, a crítica histórica  e a exegese dos textos".

A Escola Bíblia de Jerusalém é considerada atualmente, pela grande maioria dos linguistas como uma das melhores bíblias para o estudo, aplicável não apenas ao trabalho de teólogos, mas também para tradutores, pesquisadores, jornalistas e cientistas sociais, independente de serem católicos, protestantes, ortodoxos ou judeus, ou mesmo de qualquer outra religião ou crença.

Igreja Católica Apostólica Brasileira


A Igreja Católica Apostólica Brasileira - ICAB - é uma instituição religiosa, fundada em 6 de julho de 1945, por Dom Carlos Duarte Costa, separada da Igreja Católica Apostólica Romana, tem a mesma fé católica e apostólica, mas se diferenciando por não ser Romana e, sim, Brasileira, com a glória do poder do Espírito Santo. Sem um Papa, líder "infalível" e "soberano" - só Deus é infalível e soberano.

Os clérigos da Igreja Católica Apostólica Brasileira não têm obrigatoriedade do celibato, pois o casamento entre um homem e uma mulher é uma instituição divina, e essa visão é originada nas Sagradas Escrituras.

Sobre a Igreja Católica Apostólica Brasileira:

 UNA = está perfeitamente inserida na unidade da Igreja de Cristo, porque é originária da mesma fonte divina, brotada daquela PEDRA ANGULAR de que nos fala a Sagrada Escritura (Is 28,16; Mt 21,42;; Ef 2,20).

SANTA = não só pela Cabeça, que é Cristo, mas pelos seus membros, santificados pelo Batismo; é Santa porque vem de Deus.

CATÓLICA = quer dizer para todos, sem preconceito social, racial ou religioso; é UNIVERSAL, não em termo internacional ou geográfico, mas no seu aspecto religioso ecumênico.

APOSTÓLICA = porque vem dos Apóstolos pela IMPOSIÇÃO DAS MÃOS sobre a cabeça dos eleitos. A Igreja Católica Apostólica Brasileira é possuidora da Sucessão Apostólica outorgada por Dom Carlos Duarte Costa, cujo poder sucessório herdou do Bispo de Roma, o Papa Leão XIII, através dos cardeais Leme, Arcoverde e Rampolla sucessivamente.

BRASILEIRA = porque a Sé Apostólica é do Brasil, é uma Igreja independente, com jurisdição própria, sendo uma Igreja autêntica e genuína.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

6 de julho de 1945 - nasce a Igreja Católica Brasileira


A Igreja Católica Apostólica Brasileira é uma Igreja Nacional que não está em comunhão com a Igreja Católica Apostólica Romana, principalmente por negar o dogma da infalibilidade papal e não adotar o celibato obrigatório para os clérigos.

Ela existe por iniciativa do ex-bispo de Maura, o Revmo Dom Carlos Duarte Costa, o qual havia sido ordenado padre em 1 de abril de 1911, pelas mãos do Revmo Dom Eduardo Duarte Silva, seu tio,  e sagrado Bispo de Botucatu pelas mãos de Sua Eminência o Cardeal Dom Sebastião  Leme da Silveira Cintra - Arcebispo do Rio de Janeiro, o qual foi assistido pelo Revmo Dom Alberto José Gonçalves - Bispo de Ribeirão Preto e pelo Revmo Dom Benedito de Paula - Bispo do Espírito Santo, em 8 de dezembro de 1924.

Aos 6 de outubro de 1937 foi nomeado Bispo Titular de Maura, título pelo qual ficou conhecido.

Fundou a Igreja Católica Apostólica Brasileira em 6 de julho de 1945.

Os bispos ordenados por ele garantiram a linhagem episcopal.

Revmo Dom Salomão Ferraz foi sagrado como primeiro Bispo de São Paulo em 15 de agosto de 1945, pelo Revmo Dom Carlos Duarte Costa. Entretanto, deixando a ICAB foi recebido pelo Papa João XXIII em 8 de dezembro de 1959, passando a ser bispo romano.

Revmo Dom Jorge Alves  de Souza foi sagrado como segundo Bispo de São Paulo pelo Revmo Dom Carlos Duarte Costa em 2 de fevereiro de 1946.

Revmo Dom Antínio José Vargas foi sagrado primeiro Bispo da Diocese de Lages, SC pelo Revmo Dom Carlos Duarte Costa em 8 de dezembro de 1946.

Revmo Dom Luis Fernando Castillo Mendez foi sagrado Bispo Primaz da Venezuela pelo Revmo Dom Carlos Duarte Costa em 3 de maio de 1948.

Revmo Dom Diamantino Augusto Pereira da Costa foi sagrado  como primeiro Bispo de Recife pelo Revmo Dom Carlos Duarte Costa em 15 de agosto de 1954.

Revmo Dom Pedro Santos Silva foi sagrado como Bispo Coadjutor do Rio de Janeiro pelo Revmo Dom Carlos Duarte Costa em 4 de novembro de 1946.

Os sétimos e oitavos bispos sagrados pelo Revmo Dom Carlos Duarte Costa foram o Revmo Dom Pedro Luiz Hernandez, como Bispo da Bolívia, para a Igreja Nacional Boliviana, e o Revmo  Dom Orlando Arce-Moya, como Bispo de Santiago, Chile, para a Igreja Nacional Chilena. Ele,no entanto, ingressou na Igreja Católica Romana.